Terça-feira, 29 de Maio de 2007

FEIRA DE ARTE 2007

No passado Sábado realizou-se mais uma vez a Feira de Arte Bienal do Departamento de Artes da Escola Secundária Gabriel Pereira.

Este ano o tema era a Água, pelo que era possível comprar telas sobre esse tema, a óleo e a acrílico, como sempre a favor de uma instituição, desta vez o Banco Alimentar. A maior parte dos fundos conseguidos com a venda dos trabalhos irão ser entregues ao Banco Alimentar.
A feira pôde contar com bastantes visitantes e em nome da organização agradecemos a todos os compradores por ajudarem quem mais precisa.

Esperemos que, daqui a dois anos a próxima feira nos venha a surpreender pela positiva mais uma vez.




--------------------------------------------
Post e foto por
Mr.Jam

publicado por MrJam às 22:18
| Comentar | Ver comentários (5) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

Grandioso espectáculo de dança


publicado por Piteira às 21:47
| Comentar | Ver comentários (5) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 22 de Maio de 2007

Popular Margarida

É sufocante não poder falar do que és

do que me fazes e me tocas

do que sinto, aqui....

Céus... o que queres de mim, flor?

O mundo é tão pequeno

E o tempo tão extravagantemente curto

Que me babo, escorre-me água pela boca

Puxo-te por esse panejamento erótico

Eruditamente perdendo terra e voando no pleonasmo.

Oh, por favor, não existas!

Renova toda a antimatéria

Redesaparece neste meu surreal azul.

Calo-me mas a tua pele escorre de cheiros

consolos e outra provações que me engadanham

e me satisfazem, grita.... entidades.

 

Pele e olhos e amálgama de cabelo

ténue e ferrugento, pequeno infantil

sedentamente ofuscante

brilhante aromatizante redundantemente

descritivamente saboroso meloso guloso

intensamente neve torrado falante

companhia dos deuses inspiração

deste homem que fala por si, ortónimo secante.

 

Não narro porque não há

Existe placas para seguir caminhos

há horizonte brilhante apenas

só porque pego a tua mão, aqui.

  

 

Para alguém, de alguém


publicado por Piteira às 21:57
| Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 14 de Maio de 2007

...

 

 

"velha"

caneta sobre papel

luis piteira


publicado por Piteira às 15:38
| Comentar | Adicionar aos favoritos

...

 

 

"da minha casa"

fotografia por andré pinto


publicado por Piteira às 15:35
| Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 9 de Maio de 2007

Noite do Zeca na ESGP

Nas terras frias de Aveiro
Nas ondas quentes africanas
Deambula o homem herdeiro
De um país entre cabanas
 
Entre fardas desusadas
Muitas canções, muito fado
Voou entre pássaros e asas
Dos que deixavam este lado
 
E o Zeca de partido liberdades
Que espalhou palavras no breu
Deu apoio, criou vontades, amizades
Fez fogo fulgente farpas e céu
 
Tudo acaba, tão somente
A vida, o sonho e o sono
Fica o alegre já simplesmente
E uma balada de Outono:

Uma noite um adeus sono vazio
águas das fontes choupos laranjais
as palavras levadas pelo rio
ó ribeiras chorai não mais não mais.
 
Ó ribeiras calai-vos anjo negro
cavaleiros vampiros rosa fria.
As palavras caíam no Mondego
era Outono e só ele se despedia.

Partir para Marrocos ou Turquia
embarcar na falua de Istambul
dobrar o cabo da melancolia
partir partir partir mais para o sul.

Ouve lá Zeca Afonso: e a cantoria?
- Preciso de partir para outro fado.
E havia em sua voz o que só havia
do outro lado.

Havia Bensafrim e a hospedaria
Um redondo vocábulo e um sino.
As bruxas. Mafarricos. Alquimia
para mudar o canto e o destino.

Por isso aquela noite sem saber
era outra a canção que lhe nascia.
Havia em sua voz uma estátua a arder
e Grândola era o país que não havia.

O calor de mais cinco e amizade.
S. Francisco de Assis: voz companheira
para levar aos pobres da cidade
uma canção à sombra da azinheira:
 
 
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade

Dentro de ti, ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena

Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade

Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada rosto igualdade
O povo é quem mais ordena

À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade
Jurei ter por companheira
Grândola a tua vontade
 
E para que esta merda de censura acabe:
Viva Zeca Afonso
Sempre Liberdade.
 

publicado por Piteira às 16:14
| Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 2 de Maio de 2007

Tempo

Tempo é vida
Música
Respiração
Pensamento
Sentimento
É passado
É futuro

Atempadamente,
É presente
Instante
Instantes
1, 2, 3 e 4
É infinito

É movimento

Vida é Tempo




João Sousa

publicado por MrJam às 20:39
| Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 1 de Maio de 2007

Cantigas em maio na Gabriel Pereira


publicado por Piteira às 21:09
| Comentar | Adicionar aos favoritos

O Autor

Pesquisa

 

Setembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimas obras publicadas

Trabalho em Belém

Por do Sol de Verão

COR CIDADE

David

Piteira de volta... artis...

Valentino

Apresentação

DESPEDIDA ANUNCIADA

...

IntraRail

Arquivos

Setembro 2008

Julho 2008

Abril 2008

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

Participar

Participe neste blog